Congresso Sustentável 2009

 


O começo do congresso

Com um tom humorístico inicia-se o Sustentável 2009. A interação entre o dr. da alegria Wellington Nogueira e os congressistas prendeu a atenção de todos. Com uma performace teatral, o dr. da alegria mostrou o passado do homem, o antropocentrismo e a conscientização do homem atual para a sustentabilidade. De maneira lúdica, ele cria uma consciencia coletiva de responsabilidade sustentável.  

Wellington Nogueira, mestre de cerimonias do Sustentável 2009, ou melhor dizendo, mestre sem cerimonias (como o próprio se denominou), reafirmou conceitos ditos no depoimento da professora Vera Lúcia que nós postamos anteriormente. Ele, de maneira original e extrovertida, conseguiu ensinar brincando e essa atitude alcança incríveis resultados.
 
Vídeo de Wellington cativando o auditório com sua irreverência.

04 de agosto - 1° dia

 

Plenária de Abertura

 Para abrir o evento, foi exposto um dos principais desafios a serem abordados durante esses três dias de congresso:

O Desafio: A sustentabilidade sair do papel.

Realização: Depende da cidadania e atitude de cada um!

" Você faz a diferença, você é especial" (Marcos Bicudo (Presidente da Philips Brasil e Chairman CEBDS))

A plenária de abertura tratou da inovação. Quebrar os antigos hábitos públicos -empresariais-sociais que não pensam na complexidade em que o mundo chegou. Pensar sustentável é uma necessidade. "Que tipo de economia nós estamos dispostos a construir?" (Mark Lee (CEO SustainAbility)).

"O desenvolvimento sustentável passou a ser uma ideia unânime"(Francisco Graziano (Secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo)), porém nem todos aplicam-na.

Além da visão para modificar os paradigmas empresariais, houve destaque também para a responsabilidade para com o meio ambiente: boa qualidade da água, desmatamento e o processo de implementação do código florestal na prática.

 Na plenária de abertura, estavam presentes:


  • Marcos Bicudo (Presidente da Philips Brasil e Chairman CEBDS)
  • Fernando Almeida (Presidente-executivo CEBDS)
  • Denise Hamú (Secretária Geral – WWF Brasil)
  • Achim Steiner (Diretor-Executivo PNUMA)
  • Mark Lee (CEO SustainAbility)
  • Ana Cristina Barros (Representante Nacional – TNC)
  • Celso Schenkel (Coordenador de Ciências e Meio Ambiente da UNESCO no Brasil)
  • David Hone (Representante WBCSD)
  • Francisco Graziano (Secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo)
  • Beatriz Espinosa (Gerente Geral de Segurança, Saúde e Meio Ambiente – Petrobras)
  • Dirceu de Mello (Reitor – PUC/SP)
 
Cada integrante dessa plenária falou alguns minutos, gravamos dois deles: Fernando Almeida
e Celso Schenkel. Vejam os dois vídeos de Fernando Almeida e Celso Schenkel (respectivamente):


 

1a. Plenária: Inovação para mudanças globais: perspectivas e desafios

Inovação para mudanças globais: perspectivas e desafios

O início da primeira plenária tocou na idéia de "Green economy" para substituir e complementar as práticas econômicas atuais. Pensar a longo prazo é a melhor medida a ser aplicada e a economia verde é fundada em novos paradigmas que presam a utilização mais consciente recursos naturais. Para ser aplicada deve ter apoio de: governo, empresas, ongs, sociedade...

O "Green Economy" tem como seus atos o de:

-Investir em energias alternativas e tentar substituir o uso do petróleo e do carvão natural por outras fontes de energia menos poluentes.

-Diminuir o desperdício de alimentos no mundo.

-Melhorar a qualidade da aguá, preservando-a, não desperdiçando-a e tratando as fontes poluídas.

 

Alguns dados que precisamos tomar nota sobre energia:

80% da energia utilizada hoje provêem de combustíveis fósseis

-Problemas: Exaustão das reservas

Segurança de abastecimento ( áreas petrolíferas em regiões de conflito, dificuldade de extração, riscos de acidentes, dentre outros)

Impactos ambientais

-Solução: Utilizar a energia de maneira mais eficiente

Estimular a utilização de energias mais "limpas" nos países do mundo inteiro, principalmente nos "em desenvolvimento" como a gigante China que utiliza massivamente o carvão mineral como principal fonte energética.

Uma das grandes vantagens da energia renovável é a de empregar muito mais indivíduos se comparado com outros tipos de produção energética. 

Para finalizar a primeira plenária, Samyra Crespo palestrou de maneira otimista e esperançosa sobre o futuro do Brasil. Falou sobre o modo em que o Ministério do Meio Ambiente trasforma as inovações da sociedade em ações públicas para o desenvolvimento do país.

Segue um vídeo das práticas da Petrobras de sustentabilidade pela Beatriz Espinosa:

Deixe seu comentário

Nenhum comentário foi encontrado.

Pesquisar no site